Arquivo da tag: Centro Histórico

Centro Histórico – Santana de Parnaíba

No último domingo fui com a família conhecer o centro de Santana de Parnaíba, município fundado em 1580, na região metropolitana de São Paulo – e para muitos é considerado ~interior~. Aproveitamos o sol e fomos curtir a feirinha (:

A cidade possui o maior conjunto colonial existente no estado de São Paulo, os casarões dos séculos XVII e XVIII foram tombados e restaurados, muitas ruas ainda são de paralelepípedos e a Igreja  Nossa Senhora de Sant’Ana se destaca no Lgo. da Matriz.

santanadeparnaiba_01

santanadeparnaiba_02

santanadeparnaiba_03

santanadeparnaiba_04

santanadeparnaiba_05

santanadeparnaiba_06

santanadeparnaiba_07

santanadeparnaiba_08

santanadeparnaiba_09

santanadeparnaiba_10

santanadeparnaiba_11

santanadeparnaiba_12

santanadeparnaiba_13

santanadeparnaiba_14

santanadeparnaiba_15

santanadeparnaiba_16

santanadeparnaiba_17

santanadeparnaiba_18

santanadeparnaiba_19

santanadeparnaiba_20

santanadeparnaiba_21

Edifício Martinelli

Para deixar um legado permanente de seu trabalho, o Comendador Giuseppe Martinelli (italiano, dono de uma empresa de navegação) decidiu erguer na cidade de São Paulo o mais alto arranha-céu da América do Sul. Em 1924 iniciou a construção do prédio de 12 andares, projetado com ajuda do arquiteto húngaro William Fillinger, em um grande terreno da então área mais nobre da capital. Assim surgiu o Edifício Martinelli.

Durante a construção foram “acrescentando” mais andares e em 1928 chegou a 20. Nessa época o próprio Comendador já havia assumido o projeto e também trabalhava como pedreiro. Quando o prédio atingiu 24 andares foi embargado, por não ter licença e desrespeitar as leis municipais – ultrapassava o limite de altura dos prédios na cidade. Depois que essa questão foi resolvida, uma comissão técnica garantiu que o prédio era seguro e limitou sua altura a 25 andares, mas o objetivo de Martinelli era chegar aos 30 e o fez construindo sua nova residência, com cinco andares, no topo do prédio.

O edíficio e seu dono passaram por maus bocados no decorrer de sua construção e Martinelli teve que entregar ao governo da Itália em troca de uma dívida, mas, durante a guerra, o Brasil confiscou o patrimônio. Passado alguns anos ficou abandonado e se tornou um grande cortiço, mas em 1975 foi desapropriado pela prefeitura e completamente reformado. Reinaugurado em 1979, hoje abriga secretarias municipais, empresas particulares e estabelecimentos comerciais na parte térrea.

A “Casa do Comendador” é a réplica de uma villa italiana, e do seu terraço maravilhoso temos uma visão panorâmica da cidade. Essa visita foi menos concorrida que a do Banespa. Existe uma portaria exclusiva para os visitantes do terraço (chegamos, preenchemos nossos dados e entramos no elevador – direto para o 26º andar), como o espaço é grande não há restrição ao número de pessoas (tinha umas 15 com a gente), a visita é monitorada e o tempo de permanência dura de 15 a 20 minutos.

martinelli_01

martinelli_02

martinelli_03

martinelli_04

martinellilook_04

martinelli_05

martinelli_06

martinellilook_05

martinelli_07

martinellilook_02

martinellilook_03

martinelli_08

martinelli_12

martinelli_09

martinellilook_06

martinelli_10

martinelli_11

martinellilook_07

martinelli_13

  • regata Riachuelo
  • calça Marisa
  • tênis Vans
  • echarpe comprado em Bs As
  • óculos Ray-Ban

Edifício Martinelli: Av. São João, 35 – Centro – Próx. Metrô São Bento
Seg. à sex., das 9h30 às 11h30 e das 14h30 às 16h30; sáb. das 10h às 13h00
Entrada gratuita e não precisa agendar (exceto grupos grandes)

Banespão

Depois de uns sete anos eu finalmente voltei ao Edifício Banespa, o “Banespão”, e vim contar e mostrar pra vocês como foi. Eu e o Psy fomos numa quinta à tarde e estava bastante movimentado, esperamos entre 20 e 30 minutos na fila – já ouvi dizer que as vezes demora mais de uma hora, acho que demos sorte…

O edifício foi inaugurado em 1947, para sediar o Banco do Estado de São Paulo (Banespa), e na verdade se chama Edifício Altino Arantes – homenagem ao primeiro presidente do banco. Com seus 35 andares, já foi o edifício mais alto do Brasil, mas desde a década de 60 ele “perde” para o Mirante do Vale, que tem 51 andares e, por ficar em um vale (do Anhangabaú), não parece ser tão alto. Atualmente o Banespão é o 3º edifício mais alto da cidade e o 5º do país.

Claro que a vista geral de São Paulo é o que todos querem apreciar, mas há outras atrações no edifício. O saguão tem paredes altas de mármore e o piso com brasões de bronze, um enorme painel com pintura de pessoas trabalhando e um lustre maravilhoso de 13 metros, feito com 10mil pingentes de cristal. Depois de subir um elevador até 26º andar, outro até o 32º e dois lances de escada, esperamos novamente em uma salinha com fotos e notícias antigas sobre o Edifício Banespa.

Mais um lance de escada e chegamos ao topo do prédio: a torre! A visita é monitorada e “lá em cima” só podem ir 6 pesoas de cada vez (o espaço é pequeno mesmo) e o tempo de permanência é de 5 minutos. Parece pouco, mas da para ver tudo, fotografar e bagunçar a cabeleira com o vento ;D

banespao_01

banespao_02

banespao_03

banespao_04

banespao_05

banespao_08

banespao_09

banespao_10

banespao_11

banespao_12

banespao_13

banespao_14

banespao_15

banespao_16

Banespão (Edifício Altino Arantes): Rua João Brícola, 24 – Centro
Próx. Metrô São Bento –  De seg. à sex., das 10h às 15h
Entrada gratuita e não precisa agendar

Também visitamos o terraço do Edifício Martinelli, logo logo posto aqui ;*