Japão – Osaka II: Dotonbori

Ahh, Dotonbori, sem dúvida um dos lugares mais fascinantes do Japão! Principalmente pra quem ama culinária japonesa e/ou um exagero asiático, a região é perfeita!

Fomos lá duas vezes e eu sinto que ainda não aproveitamos 100%. Na primeira durante a noite, pudemos ver bem as fabulosas luzes das propagandas e fachadas super enfeitadas dos estabelecimentos. Contemplamos o Rio Dotonbori, o famoso Glico Sign (um luminoso gigante que tem um homem correndo com os braços para cima), assistimos um pouco de um show de girl band que estava rolando e beliscamos takoiyaki (bolinho com pedaços de polvo – aprox. R$ 20,00 porção com 8) e taiyaki (uma espécie de waffle com formato de peixe recheado – R$ 6,00) sabor azuki e sabor chocolate.

No meio de toda poluição sonora e visual, vimos muitas versões de um homem com roupa e chapéu listrados, eram brinquedos, docinhos, bebidas e adesivos, entre outras coisas. Trata-se do Kuidaore Taro Dotonbori, um famoso palhaço que tocava tambor e atraía as pessoas para seu restaurante na década de 50, acabou virando uma espécie de mascote de Dotonbori e é famoso até hoje! Eu trouxe um ímã dele, mostrei no post de comprinhas.

Na segunda vez fomos para almoçar e paramos no restaurante Dohton Bori (poisé) de okonomiyaki (é tipo “o que você quiser frito” – uma espécie de omelete ou panqueca de vários sabores, frita em uma chapa). O restaurante é pequeno e bem tradicional, daqueles que temos que preparar sozinhas o que vamos comer, coisa que definitivamente não conseguimos hahahaha! Mas os garçons nos ajudaram e pudemos comer três maravilhosos sabores: Mix, 4 Cheese e Hiroshima Yaki por aproximadamente R$ 75,00 (divido por 4: R$ 18,75 cada)

Já que estávamos de pancinhas cheias, preferimos maneirar na sobremesa e optamos por ir na Baskin Robbins, sorveteria de origem Americana (é uma rede bastante famosa), e não resistimos aos sorvetes enfeitados de bichinhos! Também aproveitamos para experimentar o sabor de sakura, que é muito bom!

Hmm, que fominha!

★ 道頓堀 ★

Japão – Osaka I: Otakice e Dragão

Osaka é uma cidade fabulosa, é a terceira cidade mais populosa do Japão e muito movimentada, iluminada, famosa por sua culinária tradicional e com grandes centros comerciais. Mesmo com chuva e céu nublado na maior parte dos dias, aproveitamos ao máximo!

Foi lá que tirei minha primeira purikura (foto instantânea de cabine) e visitei a primeira Animate da viagem (uma famosa rede de lojas, especializada em materiais relacionados a mangás e animes). Passamos horas em livrarias e lojas de bonecos (em Osaka achamos uma enorme variedade de seminovos com preços baixos *-*), experimentamos hambúrguer de camarão e continuamos na emoção ao encontrar tantas sakuras pelo caminho… Boas lembranças!

Alugamos um apartamento próximo do Yodo River e da nossa janela podíamos ver o distrito de Umeda, que fica há 30 minutos de caminhada por uma enorme ponte. Mas o que eu mais amei foi a região de Namba, onde fica o famoso rio Dotonbori, a Denden Town (Nipponbashi), área que tem muitas lojas gigantescas de eletrônicos de todos os tipos! E também onde encontramos muitas mais lojas de games, action figures (bonecos ♥), mangás e animes ^^v

Também em Namba visitamos o templo que tem o altar de cabeça de dragão, que mede 12 m de altura por 7 m de largura, é o Namba Yasaka Shrine. Vimos muitos templos entre as casas e comércios, mas nenhum tão diferentão como esse.

Decidi separar Osaka em vários posts porque, minha nossa, são muitas fotos! Aguardem ;D

♡ 大坂 ♡

Japão – Osaka: Gudetama Café

Antes de ir para o Japão a gente já sabia que teriam muitos cafés  e restaurantes temáticos e que o acesso a eles não seria tão fácil, muitos só atendem por senha, formam filas quilométricas, precisa agendar horário por telefone etc. Então resolvemos seguir nossos roteiros e deixar que esses cafés e restaurantes surgissem no nosso caminho. Foi exatamente assim com o Gudetama Café!

Para quem não conhece, Gudetama é um ovinho bem preguiçoso (gude=preguiçoso / tamago=ovo) que adora ficar deitado com seu cobertor de bacon ou se espreguiçando em sua clara. Parece absurdo, né? hahaha pois é uma animação de origem japonesa da marca Sanrio (a mesma da Hello Kitty) e é possível assistir suas ~aventuras~ com legenda no Youtube: Gudetama Brasil.

Enquanto procurávamos um determinado local, paramos para pedir informação no shopping Hep Five e olhando o mapa de lojas nos deparamos com ele! Fomos correndo até a porta para ver se valia a pena pegar fila e: SURPRESA! Não tinha fila e não precisava marcar hora, fomos bem recebidas, sentamos e surtamos! hahahaha!!

Estávamos com pouca fome e rolava um medo de não gostar da comida, então pedimos pratos que pudéssemos dividir. Começamos com Gude White Curry (R$  27,00*), na sobremesa pedimos Amayakashite Castella Anmitsu (R$  30,00*) e finalizamos com um Gudetama Mont Blanc Pudding (R$  18,00*) e um latte (R$  15,00*). Foi um sofrimento comer comidas tão bonitinhas, olha a carinha dele socorroooooo!! Mas estava tudo gostosinho.

O espaço do restaurante é uma gracinha, adorei as cadeiras com formato de ovo! Tinha uma TV passando alguns episódios e toda hora tocava a musiquinha de encerramento (que agora, mais uma vez, não sai da minha cabeça).

* Os preços estão com valor aproximado na cotação atual e sem taxa.

É válido avisar que estávamos ali pagando pela marca, a comida não era ruim, mas é possível comer coisas de sabor parecido – ou melhor – pagando muito menos. Só que nós amamos esse ovo preguiçoso e ficamos felizes mesmo!

♡ ぐでたま ♡

Gudetama Cafe | ぐでたまかふぇ: HEP FIVE – 7º andar
5-15 Kakuda-cho, Kita-ku, Osaka-shi, Osaka

Japão – Nara: Owl Cafe Naramachi

Não estava bem nos planos do dia, mas enquanto procurávamos o Wakakusa Curry nos deparamos com um owl cafe e não resistimos! MASOQUÊ? Sim, corujas! Lemos as regras, desinfetamos nossas mãos e pegamos as corujas, fizemos carinho – tão macias! Alimentamos, “brincamos” com um falcão e ganhamos uma bebidinha de máquina (inclusa no preço). Tudo é acompanhado por um treinador. Isso mesmo, depois dos veados, EU TOQUEI EM CORUJAS !!

Pois é, tínhamos ouvido falar, até pesquisamos alguns pet cafés – existem uns bem exóticos e é super comum por lá, só que não era  nosso foco, principalmente porque não sabemos como eles cuidam dos bichinhos, de onde vieram, se tem veterinário etc. Mas como o Owl Cafe Naramachi (Fukurō Kafe Naramachi) apareceu bem na nossa frente, então resolvemos tentar. Pagamos ‎¥1000 cada (aproximadamente R$ 35,00) por uma hora em contato com as corujas.

Apesar de estar no nome, os pet cafés que fomos (sim, terá outro post com bichinhos ♥) não tinham café algum e nem se pareciam com um, o que desaponta um pouco, então já deixo aqui avisado para quem pensava em uma cafeteria – Sim, existem os que servem sanduíches e café “de verdade”, mas não tive nenhuma experiência para contar :/

Owl Cafe Naramachi (ふくろうカフェならまち): Japão, 〒630-8222 Nara-ken, Nara-shi, 餅飯殿町 Hashimotochō, 30

Japão – Nara: veados e o melhor karê do mundo

Assim que pisamos fora da estação de Nara: CHUVA !! Era dia de parque, poxa vida, a chuva ia estragar o nosso passeio! Ainda mais que antes de sair de casa verificamos o clima, foi 1 hora de trem de Osaka até lá, mas com o tempo ruim só nos restava chorar… Fomos tapeadas! #drama

Sem muita opção #drama2, entramos em um Chococro (uma rede de cafeteria) e MANODOCÉU QUE DELÍCIA! O café, o belgium chocolate cocoa e o wafle, tudo muito bom! Comemos e esperamos… Ao sair de lá, surpresa: SOL! Ok, obrigada chuva pelo café maravilhoso e, agora sim, podemos seguir nosso roteiro!

Não andamos muito pela cidade, basicamente traçamos uma linha reta da estação até o nosso objetivo: ver os cervos shika, que andam livremente por lá. Passamos por alguns templos e seguimos até o Nara Park, um espaço enorme e realmente cheeeeio de veados (cervos), que estavam bem tranquilos, o que nos deixou muito felizes porque odiamos humanos estressando bichinhos (ouvimos rumores de que eles podem atacar as pessoas, mas não vimos nada do tipo) !

Na volta do parque passeamos pelas lojinhas de souvenirs (ímãs ♥), fomos em um owl cafe (sim, de corujas!! aguardem o post hihihi) e aproveitamos para ~almojantar~ O MELHOR KARÊ DO MUNDO !

Eu não era muito fã de karê (curry), até comer este! A dica do restaurante veio de uma amiga das minhas amigas e resolvemos seguir. O restaurante é o Wakakusa Curry (若草カレー本舗), pequenininho, fica dentro de uma galeria. Pedimos o hashed beef with rice e o baked curry and rice (+- R$  25,00 cada) e foram os melhores pratos que poderíamos ter comido! Sério, eu não sei como descrever, só de lembrar fico com água na boca hahaha! Então fica a dica para quem estiver indo para Nara ;D

♡ 奈良市 ♡

Japão – Kyoto III: Gion, gueixas e chá

E para terminar os posts sobre Kyoto *escorre uma lágrima*: GUEIXAS e CHÁ!!

Mesmo estando em constante modernização, como todo o país, Kyoto ainda tem muitos edifícios e construções anteriores à guerra, templos e casas de madeira tradicionais (machiyas), como vimos em Gion, o bairro das gueixas! Lá almoçamos na feirinha do Santuário Yasaka, vimos gueixas (ou garotas comuns vestidas de gueixa… ?), mais templos e tomamos chá com bolo e sorvete.

Em Gion tem muitas lojas que alugam kimonos e yukatas (aqueles trajes tradicionais), alguns até oferecem o serviço de fotografar quem tiver interesse, o que não era nosso caso, pois queríamos mesmo explorar o máximo que podíamos!

Depois de tantos templos (veja aqui e aqui), queríamos assistir uma cerimônia do chá, mas descobrimos que elas só acontecem até às 14h (???) então nos restou tomar chá em uma cafeteria hahaha! Fomos super bem atendidas e mimadas no Dream Coffee (que fica dentro do Household Goods Store, uma espécie de mini galeria), tomamos chá preto e comemos quatro sabores diferentes de bolo: chocolate, sakura, chá verde (matcha) e abóbora. Todos ótimos!

Depois passeamos mais um pouco pelas lojinhas até escurecer e pegamos o ônibus de volta para a estação de trem… Aiai, sdds Kyoto ;-;

♥ おおきに 京都 ♥

Japão – Kyoto II: Mais templos e mais sakuras

O segundo dia em Kyoto será divido em dois posts por motivos de: QUE LUGAR FODA DA PORRA! Ok que eu posso falar isso de tudo o que vi durante essa viagem, mas Kyoto é demais! hahaha… to rindo, mas é sério :P

Compramos o City Bus All Day Pass, que dá direito a usar uma determinada linha de ônibus durante o dia todo, vende no terminal de ônibus da estação JR Kyoto – só optamos por ele no segundo dia devido a distância e quantidade de lugares que pretendíamos ir. Começamos pelo Kinkaku-ji (Templo do Pavilhão Dourado), um templo lindo, com lagos e um pavilhão coberto de folha de ouro puro e com uma fênix chinesa no telhado.

Em Gion (que eu vou contar no próximo post), visitamos mais templos e, para mim, o mais espetacular e emocionante foi o Ryozen Kannon, um memorial que homenageia os não sobreviventes da Segunda Guerra Mundial. Lá tem uma estátua enorme de Bodhisattva Avalokiteśvara (Kannon), com 24 metros de altura, feita de concreto e aço, construída por Hirosuke Ishikawa e revelada em 1955. Assim como no Grande Buda de Kamakura, também podemos visitar a estátua por dentro, onde encontramos santuários e altares.

O dia estava ensolarado e Kyoto é um lugar tão incrível que até tira nossa respiração, foi por isso que optamos por dividir os passeios em dois dias. E foi exatamente assim, sem ar de tanta emoção, que me senti quando passamos por Philosopher’s Walk. Uma calçada na beira de um canal, famosa pela linha contínua de árvores de cerejeira – e onde, mais uma vez, ficamos um tempão contemplando as sakuras *-*

🌸🌸🌸

Japão – Kyoto I: Templos e Bambus

Kyoto é conhecida como a cidade dos samurais, foi a capital do Japão antes de Tokyo e, apesar do nosso caso de amor com Rurouni Kenshin (Samurai X – hihihi), o que mais queríamos ver lá eram as gueixas e os templos.

Começamos com a segunda opção e fomos visitar o Fushimi Inari Taisha, o templo central de Inari Ōkami (em Fushimi), conhecido por suas imagens de raposas (kitsune) e pelo longo caminho de portais vermelhos (toriis) em sequência quase infinita. O templo fica na base da montanha, também chamada Inari, e é um dos mais famosos santuários xintoístas da região.

De lá, nosso próximo destino seria a floresta de bambu, mas pegamos um “atalho” tão magnífico que precisamos adiar um pouco. Fizemos um caminho por dentro do templo Tenryū-ji, que significa “templo do dragão celestial” e é considerado o maior templo zen budista de Kyoto, está na lista de patrimônio mundial da Unesco. Não, não é pouca coisa! Apenas passeamos pelas áreas externas, mas valeu a pena pagar 500 ienes para “cortar caminho”, pois ficamos encantadas com o Sogenchi Garden, um enorme jardim com diferentes tipos de árvores, flores e um lindo lago. Como as sakuras são (e sempre serão) nosso ponto fraco, passamos algum tempo por lá até chegar nos fantásticos bambus…

Sim, FANTÁSTICOS!! Eu não pensei que fosse ficar tão boquiaberta com bambus! A floresta fica em Arashiyama e possui um bosque de bambus que formam uma espécie de túnel. O som do vento passando por eles é indescritível! Foi o encerramento perfeito para o nosso primeiro dia em Kyoto (:

♥ 京都 ♥

Japão – Kamakura: Kotoku-in, Daibutsu e Hase-dera

Kamakura (鎌倉市) é considerada uma cidade sagrada para os japoneses. Ela fica a 50 km de Tóquio e é conhecida principalmente pelo Daibutsu (Grande Buda), uma estátua de bronze de 13,5 metros que foi erguida em 1252. Catástrofes naturais como terremotos e tsunamis destruíram os templos que foram construídos ali, mas a estátua resistiu. Incrível demais!

Além de todo o ambiente lindo e bem arborizado, no templo Kōtoku-in também podemos contemplar a imagem do Grande Buda por dentro. A estátua é oca, é possível entrar para conhecer sua estrutura e mais detalhes de como foi feita.

De lá fomos para o templo de Hase-dera, que também é bem famoso! Ele fica um pouco escondido no alto de um morro, de onde se tem uma linda vista da cidade e da praia de Yuigaham, e por ter jardins lindos e com grande variedade de espécies, é apelidado de “Templo das Flores”.

No salão principal do templo está a estátua da Kannon de onze faces, que tem 9,18 metros de altura e é a maior estátua de madeira de Buda do Japão (e não pode ser fotografada).

Fomos em um dia de semana, pegamos o trem da linha JR Yokosuka na estação de Tokyo e descemos na estação Kamakura. Caminhamos cerca de 25 minutos até chegar ao Kotoku-in. Tem a opção de ir de ônibus, mas o percurso é lindo, então vale a caminhada!

Japão – Bizarrices do bem, presente e vlog

No Parque Ueno presenciamos as primeiras bizarrices do bem com japoneses. Foram coisas muito legais, mas chamo de “bizarrices” por não serem nada comuns aqui em São Paulo. O primeiro foi um homem que nos chamou e nos levou até uma árvore linda para tirar uma foto nossa PARA NÓS MESMAS! Estávamos andando e ele chegou falando um monte de coisas que não dava pra entender enquanto apontava para o cabelo rosa da minha amiga, nos puxou até uma árvore, pegou minha câmera e nos fotografou ali simplesmente porque achou que seria legal – e foi, embora a gente tenha ficado bastante assustadas até entender que ele só estava sendo legal mesmo.

A segunda foi com cachorrinhos que vieram até nós, a dona pediu desculpas por eles terem sujado minha saia, mas quem liga pra sujeira quando são cachorrinhos maravilhosos? Ficamos um tempão brincando com eles e no fim a dona nos deu um presente SIMPLESMENTE PORQUE AMAMOS OS CACHORROS DELA!!! Mais uma vez ficamos chocadas. Eu até gravei um videozinho* depois do ocorrido contando melhor como foi, porque eu precisava registrar logo de alguma forma hahaha! Mas fico triste por não ter filmado os cachorrinhos felizes :/

Curiosidades: Mesmo não entendendo nossa língua (e bem pouco de inglês), os japoneses (em geral) se esforçam muito para ajudar e dá pra ver como eles ficam contentes quando entendemos ou damos atenção, principalmente quando brincamos com seus cachorrinhos. Ao falar que somos do Brasil eles ficavam muito impressionados por causa da distância e do tempo de viagem.

*Me perdoem, eu ainda não sei ser vlogueira…